Entre a segunda-feira (31) e esta quinta-feira (3), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Pernambuco aplicou mais de 730 multas por causa de bloqueios ilegais e estacionamento irregular em rodovias federais durante atos de bolsonaristas no estado. Os protestos antidemocráticos são contra o resultado das eleições presidenciais.

Em todo o Brasil, foram mais de 4,2 mil multas. Algumas infrações podem variar de R$ 5,8 mil a R$ 17,6 mil, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), para os casos de pessoas que usaram os carros para fazer bloqueios. Foram ao menos 31 casos desse tipo no estado.

Somente com relação a estacionamento irregular, foram 359 autos de infração. Muitos deles ocorreram no protesto ocorrido na BR-232, no Curado, Zona Oeste do Recife. Bolsonaristas seguravam faixas que pediam o fim do Supremo Tribunal Federal (STF) e intervenção militar, o que é inconstitucional.

LEIA TAMBÉM:

Polícia ouve e libera bolsonarista que abandonou filhos em carro para participar de protesto

Manifestantes identificados vão responder criminalmente, diz SDS

Ônibus sem circular, escolas sem aulas e vacinação afetada: os efeitos dos bloqueios

Em uma das ocorrências nesse protesto, a PRF flagrou um caso de abandono de incapaz. Um bolsonarista deixou os filhos de 7 e 11 anos sozinhos dentro de um carro para participar do ato em frente ao Comando Militar.

O veículo estava com placas cobertas estacionado irregularmente embaixo de um viaduto da rodovia. Ele foi ouvido e liberado pela Polícia Civil, que investiga o caso.

Ainda no ato da BR-232, houve seis carros guinchados porque estavam estacionados no viaduto que dá acesso à rodovia.

A PRF informou que os pontos de concentração de manifestantes e de interdição de rodovia começaram a ser registrados na tarde de segunda (31), quando um grupo de pessoas se reuniu no quilômetro 83 da BR-101, em Jaboatão dos Guararapes.

A terça-feira (1º) foi o dia em que houve o maior número de pontos ativos de interdições, segundo a PRF. Foram 18 casos, sendo a maioria com bloqueios parciais. Eles ocorriam especialmente no Agreste do estado, na BR-104 e BR-232.

Nesse dia, agentes precisaram retirar pneus e entulhos das vias ou até mesmo aguardar o Corpo de Bombeiros para apagar as chamas. Foram 55 horas de trabalho, segundo a PRF.

O último ponto foi liberado na tarde de quarta-feira (2), após mais de 40 horas de bloqueio no quilômetro 22 da BR-104, em Taquaritinga do Norte, no Agreste. Lá, um suspeito de liderar a manifestação foi detido e encaminhado à Delegacia de Polícia Federal em Caruaru e liberado após assinar Termo Circunstanciado de Ocorrência.

G1 Caruaru