Um foragido da Justiça de Pernambuco e que tinha seis mandados de prisão em aberto, sendo quatro por assassinatos, foi capturado pela Polícia Civil. Ele é considerado um dos líderes de uma facção envolvida em tráfico de drogas na Zona Sul do Recife.

O homem que foi preso chegou a ser apontado por envolvimento no homicídio de um líder comunitário, em junho deste ano. Chateaubriand de Lima, conhecido como Chatou, tinha 53 anos e era empresário.

O homem, que não teve o nome divulgado pela polícia, também é considerado um dos alvos prioritários para captura no estado.

Detalhes da prisão dele foram repassados, nesta sexta (22), durante entrevista coletiva concedida no Recife.

A captura ocorreu na quinta (21, em Jupi, no Agreste pernambucano, onde o homem estava escondido em uma casa. O município fica 200 quilômetros de distância do local da atuação da facção, a Vila dos Milagres, no Ibura.

Segundo a polícia a principal dificuldade para capturar o homem era o fato de ele usar documentos falsos. Com ele, foram, apreendidos caminhonete, identidade falsa, cadernos de anotações de tráfico de drogas e um celular.

O home foi levado para o Centro de Triagem e Observação Criminológica Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife.

Responsável pelas investigações realizadas pelo Grupo de Operações Especiais (GOE), o delegado Ivaldo Pereira afirmou que, desde março, a polícia começou as investigações para capturar o homem.

“Ele foi condenado a 15 anos por roubo e estava foragido desde 2016. No ano seguinte, foi alvo de uma operação da polícia. Também há mandados de 2018 e 2019 por homicídios”, explicou o policial.

Morte de líder

Durante as investigações, a polícia apurou a relação do homem que foi preso no Agreste com o assassinato de Chateaubriand de Lima, atingido por tiros. O crime aconteceu em um campo de futebol, na Zona Sul do Recife.

O delegado Ivaldo pereira disse que o homem negou ter assassinado o líder comunitário e também afirmou que não foi o mandante.

“Existe um conflito entre pessoas que fazem parte de duas facções nacionais, um do Rio de Janeiro e outra de São Paulo. Esse crime teria sido motivado por essa disputa”, afirmou o delegado.

O policial afirmou, ainda, que o preso alegou que o líder comunitário seria “laranja” de um detento, que atuou no tráfico de drogas e em sequestros na Vila dos Milagres.

Do G1 Caruaru